*** Sanctus...Sanctus...Sanctus *** E é importante apoiar-se numa comunidade ,mesmo que seja virtual,porque entre aqueles e aquelas que a compõem,encontram-se os que estão nos tempos em que o dia vai ganhando, pouco a pouco, à noite. Irm.Silencio

domingo, 18 de maio de 2008

Vergonha e lágrimas


Foi o que ontem senti e vivi,depois de uma vivência.
Pelo fim da tarde bate alguém à nossa porta.O meu marido perguntou quem era,depois de se identificar, pergunta-lhe o que deseja,ao que ela pergunta se a sua senhora está.
O meu marido disse que eu não estava,mas até estava.
Ambos conhecemos a pessoa mal,apenas falei uma ou duas vezes com a senhora.
Como infelizmente, casos de burlas e trapalhices rondam por aí,gerando uma desconfiança generalizada todo o cuidado é pouco,e como diz o ditado,paga sempre o justo pelo pecador,foi este o caso.
Nunca abrindo a porta, ela foi-se embora sem dizer o que pretendia.
O meu marido e eu ficamos um pouco perplexos,primeiro como soube onde nós moravámos e depois ao que viria.E como por hábito não abrimos a porta a estranhos ,assim o fizemos,salvaguardando o nosso lar.
O meu marido intrigado,foi ao café da nossa casa em frente,perguntar à dona do café,se tinha estado ali alguém a perguntar onde nós morávamos.
A senhora disse que tinha estado a tal senhora que bateu à nossa porta,não perguntou nada sobre nós ,apenas pediu dinheiro.Ao qual esta não lhe emprestou,porque não a conhece de lado nenhum.
Concluindo, esta senhora que bateu à nossa porta,depois de ter esbanjado uma fortuna deixada pelos pais,está agora nas ruas da amargura,o marido deixou-a,e não tem dinheiro para comer,psiquicamente é uma pessoa com problemas devido a ter tido um filho que está paraplégico.
Depois de saber ao que vinha,o que nos apanhou de surpresa,fiquei arrependida,porque podia ter aberto a porta,não lhe dava dinheiro,mas podia ter dado comida e aconselhá-la a ir à paróquia ou à Junta de freguesia para resolverem o problema dela,ou até de lhe arranjar emprego,onde sei que estão a precisar.
Enfim, depois de esta lamentável situação, ficámos arrependidos porque fechámos o coração ,quando por norma, até sou uma pessoa generosa?
Pequei,Senhor que nunca mais se volte a repetir,porque quando foi que tive fome e me deste de comer?....ainda temos muito que aprender com o nosso Mestre a saber viver realmente o Evangelho sobretudo mais na acção do que nas palavras.
Ajuda-nos Senhor a nunca encerrar as portadas do coração seja a quem for...
E cada vez estes casos de miséria encoberta vão sendo mais visíveis .

6 comentários:

ladoalado disse...

De um livro que a Maria me ofereceu recentemente ("Nas mãos de Deus", de I.Larranãga), retiro o seguinte: "Pai, coloco-me nas tuas mãos, faz de mim o que quiseres (...) Aquele acontecimento desagradável, ocorreu em tal dia, em tal lugar. Aquilo ficou fixo no espaço e no tempo" p 26-27) - não devemos fixar-nos nele, porque se transforma num inimigo que nos tira a Paz. O passado passou e a vergonha mina a Paz...Somos pequeninos, às vezes? O Pai já sabe isso!...Entreguemos-lhe a nossa pequenez.
E até tens um meio de remediar: se tens dados sobre a senhora, procura-a tu agora; talvez seja possível encontrá-la, tal como ela te encontrou a ti, e nessa altura podes ajudá-la com o tal encaminhamento que pensas adequado...
Um beijinho para ti, coração inquieto! Como tu costumavas dizer, nada acontece por acaso, pois "O Pai sabe".
Lila

Lua dos Açores disse...

Depois do q a Lila escreveu apenas calo no abraço que te dou, Aurorita.

Víctor Sierra disse...

Ontem, também passei por aí... E a pena que tenho é que não bati à vossa porta.
Fui a Vendas Novas, a um encontro com os que ali assentámos tropa, há 47 anos (!...), e tive de fazer transbordo em Pinhal Novo. Mas que maravilha de Estação!... Cheguei no Alfa que saiu de Gaia às 05h52, e pelas passei para um I.C., que partiu para Beja pelas 09h39; à tarde, passei noutro I.C., por volta das 20h00, que foi directo à Est. do Oriente... Cheguei de regresso a Gaia pelas 00h34.
Mas o pior é que me esqueci do TMovel em casa, onde tinha ficado de véspera a carregar... Fiquei sem comunicações e sem referências, pois a agenda dos contactos está no TMov. Só de Vendas Novas consegui falar para casa, à tarde, de uma cabina, e para o fixo, pois nem de memória tenho os TMov da famíla... Só sei o meu!...
Não vos teria ido incomodar, mas ao menos dar-vos-ia uma palavrinha, de passagem...
Quanto à senhora que vos procurou... Há casos assim. Já tenho ficado com problemas de consciência, por coisas do género. Paciência! Quem precisa, voltará.
Abraço fraterno para vós, com saúde e tudo de bom!

Rui Melgão disse...

Cristo mexe connosco, ensina-nos outra forma de ver as coisas, outra forma de actuar, inquieta os corações e não os deixa ficar em paz perante as dores dos outros, gostei muito desta tua partilha de coração inquieto e gostei muito da resposta da Lila...

Alecrim disse...

Eu também te deixo um beijo... A Lila disse o que eu podia dizer.

Maria - Portugal disse...

Penso que também faz parte da nossa cruz de cada dia o aspirar ao alto e deixar-mo-nos surpreender pelo peso da nossa humana fragilidade.

São Paulo adverte-nos:Não faço o bem que quereria, mas o mal que não quero. (Rm 7,19)

Por isso é tão insistente a voz do Bem-Amado:orai e vigiai ...(Mc 14,38)